Fundação de Educação Artística lança livro e documentário sobre residências musicais realizadas nos territórios mineiros

  • ícone de compartilhamento

Após seis meses de residências artísticas que percorreram várias regiões de Minas Gerais e movimentaram o cenário musical dessas localidades, o projeto “Territórios de Invenção” chega em nova fase.

Na próxima terça-feira (23/5), o Cine Humberto Mauro recebe o lançamento do documentário “Territórios de Invenção”, produzido pelo cineasta Pedro Aspahan. Os encontros e processos coletivos de composição realizados durante as residências recheiam o filme.

No mesmo dia também será lançado o livro “Territórios de Invenção: por uma formação musical expandida”, publicação organizada pela pesquisadora Lúcia Campos, que funciona também como ressonância das residências realizadas. O projeto foi concebido pela Fundação de Educação Artística, com apoio da Secretaria de Estado de Educação (SEE), e viabilizado com recursos do programa Música Minas, da Secretaria de Estado de Cultura (SEC). A entrada é gratuita.

Participam do lançamento os artistas que ministraram as residências: Odette Ernest Dias, Marcelo Chiaretti, Kristoff Silva, Grupo Serelepe, Rafael Macedo, Sérgio Rodrigo, Grupo Oficcina Multimédia e Roberto Victorio. Também estarão presentes o secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, e a diretora da Fundação de Educação Artística, Berenice Menegale.

O documentário e o livro são o resultado das residências artísticas realizadas em 2016 nos municípios de Diamantina (território Alto Jequitinhonha), Pouso Alegre (território Sul), Montes Claros (território Norte), Uberlândia (território Triângulo Norte), Ouro Preto (território Metropolitano) e Belo Horizonte (território Metropolitano).

O projeto

“Territórios de Invenção – Residências Musicais” foi desenvolvido por meio de parceria entre a Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e a Fundação de Educação Artística, por meio do Programa Música Minas, com o objetivo de levar residências musicais e gratuitas para seis cidades de Minas Gerais.

As residências, que aconteceram de junho a novembro de 2016, foram divididas em dois momentos: o período de inscrição, com ampla divulgação entre o público das cidades que receberiam as atividades; e a realização das residências, que ocorreu em conservatórios estaduais de música ou em universidades federais locais.

Durante as residências, os artistas produziram relatos em texto, fotos e vídeos, documentando as experiências com os participantes. Esse material foi divulgado no site do projeto (www.residenciasmusicais.com.br), na seção “Cadernos de Campo”. Muito dos momentos vividos nas residências foram registrados pelos vídeos de Pedro Aspahan. Todo esse material foi retrabalhado posteriormente e resultou no livro e no documentário.

O documentário “Territórios de Invenção”

Realizado por Pedro Aspahan, trata-se de um filme sobre o processo de criação da música na relação com o espaço. Cada território torna-se um espaço de invenção musical a partir de encontros em residências artísticas e de processos coletivos de composição. O filme acompanha o trabalho de importantes músicos brasileiros em diferentes cidades, tornando visível o enigma da prática e da criação musical.

“Como a música inventa territórios? ” Essa pergunta atravessa as residências artísticas retratadas no documentário, cuja trajetória nos leva a seis cidades de Minas Gerais. De modo a valorizar a temporalidade da criação coletiva, foi estabelecida uma mudança de foco sobre o fenômeno musical: de evento a residência, de produto a processo.

As residências abarcam desde patrimônios musicais a serem reinventados até formas artísticas contemporâneas. A música torna-se espaço de invenção, de formação e de resistência através dos modos de escuta compartilhados e das relações estabelecidas pelos músicos e educadores participantes dos projetos. A música é matéria, enredo e território comum, percorrido através dos olhos e ouvidos de Pedro Aspahan.

O livro “Territórios de Invenção: por uma formação musical expandida”

Nesse livro a música torna-se pensamento, ideia, texto. Dar forma e registrar trabalhos que se dissipam diante da própria natureza imaterial do fenômeno musical é uma tentativa de contribuir para o reconhecimento da música como lugar de pensamento ou, em outras palavras, legitimar a arte como conhecimento.

Organizado pela musicista e pesquisadora Lúcia Campos, o livro reúne artigos dos artistas residentes do projeto “Territórios de Invenção”, como um espaço aberto à reflexão sobre seus processos criativos e educacionais. Além dos artigos, a obra conta com entrevistas de Berenice Menegale e de Ione de Medeiros para aprofundar ainda mais o conhecimento das redes e das ideias que envolvem a Fundação de Educação Artística e o grupo Oficcina Multimédia. O artigo do músico e pesquisador Guilherme Paoliello traz um lastro histórico dos formatos: de oficina à residência.

Assim como o documentário, o livro também parte de uma pergunta – como a música inventa territórios? “Territórios de Invenção: por uma formação musical expandida” pode ser lido como a ressonância latente das residências artísticas que aconteceram em Minas Gerais, em 2016 e também como o registro de processos de criação e de formação musical que em geral se dissipam na velocidade do som. O livro é um convite para se ler música, não necessariamente aquela escrita em partituras ou aquela que escutamos na rádio, mas a música como lugar de pensamento. Neste livro a música torna-se texto pela voz de artistas e educadores, suas trajetórias e suas invenções.

Serviço:

TERRITÓRIOS DE INVENÇÃO - Pré-estreia do documentário “Territórios de Invenção” e lançamento do livro “Territórios de Invenção: por uma formação musical expandida”

Data:
23 de maio de 2017 (terça-feira)
Horário: 10h às 12h
Local: Cine Humberto Mauro - Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1537 - Centro, Belo horizonte/MG)
Informações gerais: (31) 3226-6866 | 98761 6597