Governo promove ações de prevenção às drogas para mais de 600 alunos do Instituto de Educação

Estudantes do Ensino Médio participam, nesta semana, de palestras de conscientização e atividades lúdicas, realizadas por meio da Secretaria de Estado de Segurança Pública

imagem de destaque
Até o final do ano, a atividade de prevenção às drogas será levada para mais de 3.000 alunos da RMBH
  • ícone de compartilhamento

Alunos do 1º ao 3º ano do Ensino Médio do Instituto de Educação de Minas Gerais (Iemg), localizado na capital, realizam, até quinta-feira (8/11), atividades de prevenção ao uso e abuso de álcool e outras drogas promovidas pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), por meio da Subsecretaria de Políticas sobre Drogas (Supod).

O objetivo da ação é que os estudantes aprendam sobre os malefícios das drogas, de forma divertida e com várias brincadeiras. Para isso, durante todo o dia, por meio de vídeos, brincadeiras e dinâmicas, a psicóloga e especialista em Psicologia da Educação da Sesp, Suely Azevedo, aborda diversos temas relacionados às drogas (lícitas e ilícitas), além de tirar as dúvidas dos alunos.

“O indivíduo inicia o consumo de drogas não apenas por um fator e, sim, por um conjunto de fatores que, interligados, influenciam o consumo. Por isso a importância de se trabalhar com esses adolescentes, de forma dinâmica, os fatores de risco e proteção”, destaca.

Crédito: Divulgação/Sesp

Os alunos participantes têm entre 12 e 17 anos, principal faixa etária para o início do uso de drogas, segundo dados coletados de 2004 a 2016 pelo Centro de Referência Estadual em Álcool e Drogas (Cread), da Sesp.

Para a professora de Biologia do Instituto de Educação, Valéria Lopes, como alguns alunos nunca tiveram contato com as drogas, mesmo as ditas lícitas, esse é o momento certo para abordar o assunto. “Uma vez sabendo dos malefícios que essas substâncias causam, eles não vão querer experimentar”, analisa.

Uma das estudantes mais participativas na dinâmica de terça-feira (6/11), Lauana Cristina, 15 anos, acredita ser importante fazer essas discussões dentro da escola, principalmente por meio das brincadeiras.

“Assim a gente consegue entender o tanto que as drogas fazem mal. Até o álcool e o cigarro, que parecem inofensivos, prejudicam, e muito”, diz.

Até o final do ano, a atividade de prevenção às drogas será levada para mais de 3.000 alunos da Região Metropolitana de Belo Horizonte. O Instituto de Educação é o segundo colégio da capital a receber as atividades, que já ocorreram também na Escola Municipal Aurélio Pires. Na próxima semana, a iniciativa será realizada na Escola Estadual Anita Brina Brandão.



Últimas